Hormônios

Inseminação artificial em bovinos

A Inseminação artificial em bovinos consiste no conjunto de eventos que acontecem desde a colheita do sêmen, sua análise e processamento em laboratório, a manutenção por períodos variáveis em condições extracorpóreas, até a sua introdução no trato genital de uma fêmea. O uso da Inseminação artificial em bovinos é uma ferramenta essencial para o melhoramento genético e aumento da eficiência produtiva dos rebanhos. De todas as biotécnicas existentes que são aplicadas à reprodução animal, a Inseminação artificial é a mais antiga e, a mais eficiente. Inicialmente, o objetivo era a erradicação de doenças infecciosas transmitidas pelo touro durante a monta natural, difundindo-se em seguida, como um instrumento eficaz e econômico para o melhoramento genético dos rebanhos.

A partir do momento que passaram a congelar o sêmen, a Inseminação artificial em bovinos tornou-se mais rápida e mais controlada, viabilizando o uso de sêmen de um certo animal em épocas futuras.

 

Vantagens:

As vantagens da Inseminação artificial em bovinos são inúmeras. Essa técnica pode ser usada para seleção e reposição de matrizes, visando o melhoramento do rebanho e possibilitando a escolha das características que permanecerão nos bezerros. Além disso, a técnica permite também fazer o controle de doenças no momento da reprodução, já que pode existir a transmissão de algumas delas durante a monta natural, o que não ocorre na inseminação artificial.

- Utilização do sêmen de touros provados: aumenta para inúmeros produtores a disponibilidade de sêmen de touros que já possuem uma avaliação do desempenho produtivo de suas crias (teste de progênie);

- Possibilita o uso de touros europeus: a Inseminação artificial em bovinos permite a utilização do sêmen de touros europeus, em vacas criadas em condições tropicais, permitindo o cruzamento entre raças (cruzamento industrial), o que, na maioria das vezes, é dificultado pela baixa adaptabilidade desses touros às condições de campo;

- Maior aproveitamento do touro: na monta natural, um touro é capaz de cobrir 25-50 vacas por ano, porém, de cada ejaculado, é possível produzir sêmen suficiente para inseminar aproximadamente 300 vacas. Considerando-se a possibilidade de realizar duas coletas por semana, torna-se possível inseminar cerca de 30.000 vacas com o sêmen de um único touro durante o período de um ano;

- Uso de touros incapacitados para monta;

- Aumento do número de descendentes de um reprodutor;

- Controle zootécnico do rebanho;

- Padronização do rebanho;

- Uso de touros após a morte;

- Redução da dificuldade em partos.

 

Importante:

Antes da Inseminação artificial em bovinos deve-se verificar se a vaca está no cio, sendo que essa verificação é de extrema importância para o sucesso do procedimento. São recomendadas duas observações ao dia, uma no início da manhã e outra no final da tarde, por um período de 60 minutos, no mínimo. Identifica-se o cio através da aceitação da monta de outros animais. É comum utilizar rufiões para esta identificação, com ou sem bucal marcador (marcando com tinta a fêmea que deixou ser montada). As vacas que estiverem no cio devem ser identificadas e, no final deste, deve ser realizada a inseminação, utilizando um método prático que é: vacas que apresentam cio pela manhã, devem ser inseminadas na tarde do mesmo dia; vacas que apresentam cio a tarde, devem ser inseminadas na manhã seguinte (recomenda-se intervalo de 12 horas).

 

Antes de inseminar a vaca, examine cuidadosamente sua ficha, verificando os últimos acontecimentos. Caso haja alguma anormalidade ou então, caso tenha parido a menos de 45 dias, não realize o procedimento, é muito importante o acompanhamento de um Médico Veterinário neste processo.

 

Cuidados com a higiene dos animais, bem como com o manuseio dos botijões de acondicionamento do sêmen também estão diretamente ligados ao sucesso da Inseminação artificial em bovinos. O local para a realização da inseminação também deve ser submetido a uma criteriosa higienização, e os aparelhos utilizados (lâminas, aplicadores, pinças, luvas e palhetas de acomodação do sêmen) precisam ser totalmente esterilizados. A temperatura da água para o descongelamento das doses de sêmen deve ser de 35° a 37°C, e o tempo máximo para o procedimento é de 30 segundos.